terça-feira, 16 de agosto de 2016

Filme: Precisamos Falar Sobre o Kevin

Hey, galera!

Como prometido, estou aqui de volta e tenho uma super postagem hoje, faz um tempo que eu não comento sobre filmes, tenho falado mais sobre séries e tudo mais, porém depois de assistir esse filme pela segunda vez decidi que era hora de comentar sobre com alguém...

Então, vamos lá?


Eva (Tilda Swinton) mora sozinha e teve sua casa e carro pintados de vermelho. Maltratada nas ruas, ela tenta recomeçar a vida com um novo emprego e vive temorosa, evitando as pessoas. O motivo desta situação vem de seu passado, da época em que era casada com Franklin (John C. Reilly), com quem teve dois filhos: Kevin (Jasper Newell/Ezra Miller) e Lucy (Ursula Parker). Seu relacionamento com o primogênito, Kevin, sempre foi complicado, desde quando ele era bebê. Com o tempo a situação foi se agravando mas, mesmo conhecendo o filho muito bem, Eva jamais imaginaria do que ele seria capaz de fazer. 


Título original:   We need to talk about Kevin
Distribuidora:    Paris Filmes
Ano:                 2011


Bem, como eu já disse, assisti o filme duas vezes e você precisa estar muito, muito concentrado pra conseguir entender a proposta do filme, tanto que eu na primeira vez fiquei um pouco confusa e na segunda vez, com muito mais foco, consegui entender...

O filme tem diversos flashbacks ao longo dele, pra poder explicar o presente em que vive Eva; ela se torna solitária, sarcástica e até mesmo com medo depois de certos acontecimentos que serão explicados mais ao final do filme.

Desde o começo podemos perceber que aconteceu de algo muito ruim na vida de Eva, mas nunca imaginaríamos o quê... O filme trata sobre psicopatia e o quanto isso seria culpa dos pais e outros motivos. Podemos ver que o tempo todo Eva revê, por meio dos flashbacks, toda a sua relação com Kevin, desde a infância...
Kevin nunca teve muito amor e carinho, principalmente por parte da mãe, que o rejeitara desde o parto, o que se agrava mais ainda com a chegada de sua irmã Celia, assim, desde cedo, a relação deles é complicada, fazendo com que Kevin demonstre aos poucos os claros sinais de psicopatia.

Você não percebe o quanto Eva se culpa por tudo que aconteceu, se não estiver bem atento a cada segundo, ela, que foi a única a perceber que tinha algo de errado com o garoto, mas que o pai não dava ouvidos, levando a acontecer o que aconteceu.

Eu achei o filme impactante do início ao fim, por vezes você chega a achar que Kevin e Eva iriam começar a se entender, o final é emocionante se você compreender cada ação dos personagens envolvidos. Atenção total é necessária e vocês perceberão o quão bem o filme trata sobre psicopatia...


Bem,por hoje é só, espero que vocês tenham gostado, se já assistiram comentem o que acharam aqui e se ainda não viram, eu super recomendo...

Kisses da Gabi <3

8 comentários:

  1. Oi
    nunca assisti o filme, sempre me deparo com divulgação do filme só que nunca parei para assistir, preciso e parece ser bem intenso.



    momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Denise!
      É bem intenso sim, mas é muito bom !

      Excluir
  2. Oi, Gabi!
    Eu gostei muito desse filme.
    Realmente a Eva se culpa horrores porque ninguém a ouvia.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza!
      o filme é ótimo, não?
      Beijos!

      Excluir
  3. Oi oi,

    eu amo muito esse filme! Eu tive que assistir umas duas vezes (uma antes e outra depois de ler o livro) para entender, mas vale a pena. Eles realmente conseguiram colocar a essência do livro na tela. As atuações são incríveis, assim como a fotografia, é um filme maravilhoso demais <3

    Beijos!
    Participe do sorteio e concorra ao livro Maximum Ride - Projeto Angel + 40 marcadores
    http://www.mademoisellelovesbooks.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana!
      Eles realmente conseguiram ilustrar bem o livro nas telas, uma ótima atuação e produção!
      Beijos!

      Excluir